Marca cearense inova e lança picolé de água de coco

0
273
Etiam sit amet orci eget eros faucibus tincidunt. Duis leo. Sed fringilla mauris sit amet nibh. Donec sodales sagittis magna. Sed consequat, leo eget bibendum sodales, augue velit cursus nunc, quis gravida magna mi a libero. Fusce vulputate eleifend sapien. Vestibulum purus quam, scelerisque ut, mollis sed, nonummy id, metus.

O calor que atinge Fortaleza quase o ano inteiro ajuda a alimentar as indústrias de ar condicionados e ventiladores, mas também faz multiplicar a venda de sorvetes e picolés. Na busca para se destacar entre as várias gelaterias que inauguraram na cidade, o cearense Júnior Renzy teve a ideia de empacotar a refrescância da água de cocoem um picolé.

O produto foi criado há cerca de três meses e já é tido como um dos mais rentáveisda Naturalle. “Tivemos uma aceitação fabulosa. O mercado não tinha esse tipo de sabor e nós [cearenses] sempre consumimos muita água de coco, então tem tudo a ver”, justifica Renzy, diretor comercial da empresa. Ele acredita que a empresa é a primeira a criar o sabor no Brasil.

O picolé de água de coco também é um dos mais leves do mercado cearense. Além de não conter corante, aromatizante e saborizante, o produto tem apenas 37 calorias.

IMG_20140409_144700-620x465

Picolés tipo exportação

Entre 2003 e 2013, o mercado de sorvetes cresceu 81,6% no país de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias e do Setor de Sorvetes (Abis). O setor de picolé responde por 19,58% dentro desse mercado, o que representa 241 milhões de litros. De olho nesse público, empresas cearenses pretendem expandir os seus negócios.

Com uma produção de 15 mil unidades de picolé por dia, a Naturalle distribui para estabelecimentos de Recife (PE) e do Interior do Estado, além de estar com projeto de expansão para mais dois estados.

Há um ano no mercado, a Selecto Ice Picolés, marca voltada para produtos naturais, vislumbra dobrar  a produção, de atuais 300 mil unidades por mês, até o final do ano. A proposta é ampliar o negócio para estados do Nordeste e Sudeste do Brasil, adiantou uma das sócias, Sofia Torquato. Entre os mais vendidos estão os de Kiwi e de Açaí.

O diretor geral da Pardal, Flávio Oliveira, informou que o produto é distribuído atualmente para Mossoró (RN) e João Pessoa (PB). Para isso, são produzidos cerca de 40 mil picolés por dia. “Podíamos vender para outros lugares, mas um dos grandes empecilhos é o preço do leite, matéria-prima do picolé”, lamenta.

Para o diretor administrativo  da Frutbiss, Gutemberg costa, a concorrência acirrada entre as empresas é sadia e funciona como uma triagem para o mercado. “Muita gente percebeu esse viés e começou a investir. Claro que tem o lado bom e o ruim. O ruim é a disputa. O bom é que vamos ter que criar novos produtos, novas maneiras de fazer, de abordar o cliente, de trazer o cliente”, pondera. Atualmente, a empresa produz 450 mil unidades por mês para atender 90% do Ceará.

Fonte: http://tribunadoceara.uol.com.br/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui