Bahia quer ampliar produção de coco de 620 milhões para 1 bilhão de frutos/ano

0
309

Governo lança plano para dinamizar cocoicultura

Elevar a produção de 620 milhões para 1 bilhão de frutos/ano visando atender ao mercado industrial e “in natura”, até 2023, atrair pelo menos mais duas unidades de beneficiamento integral do coco para a Bahia nos próximos 10 anos, e gerar 140 mil novos postos de trabalhos na cocoicultura. Essas são algumas das metas do Plano Estadual de Revitalização e Dinamização da Cadeia Produtiva do Coco (Plano Estadual do Coco), lançado na manhã desta quarta-feira (6) pelo governador Jaques Wagner e pelo secretário da Agricultura, Jairo Carneiro. “Nós somos o maior produtor de coco no Brasil, com 34% da produção nacional, e como estamos fazendo em outras cadeias produtivas, lançamos o plano para atender a muitas pessoas”, afirmou Wagner, lembrando que esta cultura envolve milhares de agricultores familiares. A Bahia é o maior produtor nacional de coco, com área plantada de 75,8 mil hectares.
O lançamento do Plano aconteceu no Centro de Convenções da Bahia, na abertura da 3ª Feira Nacional do Coco, (Fenacoco 2014). “Com desse plano estamos dando início a uma nova era da cocoicultura”, assinalou o secretário. Pensando para ser executado nos próximos 10 anos, o plano tem como objetivo promover a estruturação de toda a cadeia produtiva da cocoicultura na Bahia, de forma a dotar o Estado de condições que sirvam como referência para a atração de negócios, gerando um forte impacto no desenvolvimento sócio-econômico das regiões produtoras.

O secretário Jairo Carneiro explicou que o plano visa dinamizar a cadeia produtiva do coco, propondo ações estratégicas para renovação e ampliação da produção agrícola e do parque industrial no Estado da Bahia. Ele anunciou que um projeto piloto está sendo formatado prevendo a aquisição de mudas ou a implantação de 40 viveiros para produção de 200 mil mudas de coqueiro para atender a agricultura familiar, com preços subsidiados, podendo chegar até 50% mais barato que o preço de mercado. “A agricultura familiar é prioridade do governo Wagner, e estamos comprometidos com a implementação de ações que viabilizem a inclusão produtiva”, afirmou ele, acrescentando que “nossos esforços estão sendo intensificados no sentido de atrair novas agroindústrias”.

Embora de iniciativa da Seagri e suas vinculadas Adab, EBDA e CDA, o plano conta com a participação das secretarias da Indústria e Comércio, Saúde, Desenvolvimento e Integração Regional/CAR, e Desenvolvimento Social; Ministério da Agricultura/Conab; Sebrae; Banco do Nordeste; Banco do Brasil; Desenbahia; Embrapa Tabuleiros Costeiros; Ceplac, URFB; Faeb/Senar; Sindifibras. Sindcoco, dentre outros, e a indústria Aurantiaca/Frysk, a primeira a ser implantada na Bahia, no município de Conde.

Garantia de mercado

“Podem plantar e produzir, que nós compramos”, afirmou o presidente do grupo Aurantiaca, Piet Henk Dorr, agradecendo ao governo do Estado pelo incentivo e apoio que recebeu para se instalar no Estado. Ele explicou que a indústria, que lançou no evento o produto água de coco como a marca “Obrigado”, vai gerar, quando o parque estiver em pleno funcionamento, 500 empregos diretos numa região que tem população estimada em mais de 12 mil pessoas. O complexo industrial tem capacidade para processar um milhão de cocos/dia, sendo 400 mil frutos secos e 600 mil frutos verdes.

Fonte: http://www.midianews.com.br/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui